terça-feira, 15 de setembro de 2015

Dos cabelos...

Dos cabelos caindo um a um
Das mechas loiras que um dia me acalmaram
Ah, eu até finjo que eu não tenho medo
Eu até que sei só sorrir bem na frente dela
Ah, se eu pudesse sentir cada dor
Não, ela mesmo não deixaria
Ela mesmo saberia que eu não aguentaria

Um dia foi só nós dois dentro de uma sala branca
Você me olhando e eu no seu colo, o primeiro amor
Ontem foi tão estranho, tudo errado
 Era você no meu colo, o mesmo primeiro amor
Se doeu? Doeu, como eu nunca imaginei doer
Como nunca soube que poderia doer assim?
Ah, mas passou, assim que ela sorriu de novo

Eu não esqueço de tudo que passamos
Das noites mal dormidas, dos medos, sozinhos e juntos
Se eu sei retribuiu? Não
É amor de mãe, se compara? Não
É único, é perfeito, até mesmo nas falhas
E não há falhas que eu queira lembrar agora
Só das tardes e noites em que aprendi contigo


E os cabelos continuam caindo, mas não me irritam
Não tenho raiva da doença, claro que não
Entre nós não tem espaço pra isso, raiva?
Só tem espaço para nosso amor
Aquele do nosso jeito, que ninguém mais entende
E não é para ninguém entender, julgar, criticar
É que eu te amo do meu jeito e você do seu... Perfeito

Nenhum comentário:

Postar um comentário